29 de dez de 2017

Historicidade dos Evangelhos

O primeiro Evangelho a ser escrito teria sido o de Marcos, por volta do ano 42 d.C., quando ainda estavam vivas as testemunhas oculares dos eventos ali narrados. Logo em seguida, e antes do ano 50, foi escrito o Evangelho de Mateus, com um texto um pouco mais longo que o de Marcos. Pelo ano 62 d.C., o mais tardar, Lucas escreve a sua díade: o Evangelho e os Atos dos Apóstolos, talvez em defesa de Paulo que estava preso em Roma. Alguns acreditam que antes mesmo dos anos 70, João teria escrito o seu Evangelho, que contém uma elaboração teológica muito maior que os outros. A questão central está em que com estas recentes descobertas, podemos com muita segurança, ao menos para os sinóticos, colocar a data de composição dos Evangelhos para bem antes do ano 70, quando ainda estavam vivas as testemunhas oculares dos eventos dos quais Jesus Cristo participou. Muitos da Escola das Formas achavam que a descrição da destruição de Jerusalém predita por Jesus no Evangelho de Mateus, fora ali colocada porque a comunidade que teria escrito o Evangelho também havia presenciado a destruição, e não porque Jesus tivesse a capacidade de prever tal acontecimento. Ora, isto se devia a uma deturpação a quanto ao que é histórico no Evangelho. Hoje em dia esta hipótese não se sustenta mais: Jesus tinha, sim, a capacidade de prever o que aconteceria no futuro, e a queda de Jerusalém foi prevista por Ele e documentada no Evangelho de Mateus, antes que o fato acontecesse.
O nascimento dos Evangelhos sinóticos
Durante a década de 70 e parte da de 80, até a sua morte em 1986, o Pe. Jean Carmignac dedicou-se ao estudo da origem dos Evangelhos sinóticos. Trabalhando com as descobertas de Qumrân e sendo o principal autor de artigos na Revue de Qumran por um longo período, ele se aprofundou nos estudos de tradução dos Evangelhos para o hebraico. Descobriu então na tradução, versos e rimas que não aparecem nos textos gregos. Isto acontecia aos milhares. Os indícios de que os Evangelhos de Marcos e de Mateus foram escritos originalmente em hebraico estavam se confirmando. Antes de morrer, ele estava preparando alguns livros para os especialistas da área, com farta documentação que comprovava a sua tese. Além disso, verificou que o Evangelho de Marcos teria sido escrito originalmente por Pedro em hebraico, e Marcos teria sido o seu tradutor para o grego.
Evidência interna no Evangelho de Lucas
Lucas, que escreveu o seu Evangelho a partir de Paulo, e que foi, dos três sinóticos, o mais tardio, como vimos anteriormente, tem em seu Prólogo o seguinte texto (Lc 1,1-4):
1 Visto que muitos já tentaram compor uma narração dos fatos que se cumpriram entre nós - 2 conforme no-los transmitiram os que, desde o princípio, foram testemunhas oculares e ministros da Palavra - 3 a mim também pareceu conveniente, após acurada investigação de tudo desde o princípio, escrever-te de modo ordenado, ilustre Teófilo, 4 para que verifiques a solidez dos ensinamentos que recebeste.
Ora, Lucas afirma não ser o primeiro a escrever um Evangelho e diz que se baseou nos fatos narrados pelas testemunhas oculares dos acontecimentos ocorridos com, e que envolveram, Jesus Cristo, tendo providenciado uma "acurada investigação de tudo desde o princípio". Este é um relato que evidencia a autenticidade e a historicidade do Evangelho de Lucas.
Descoberta das grutas de Qumrân
A gruta 7
Em 1955 foi descoberta uma gruta com características especiais: a gruta 7. Todas as grutas até então encontradas continham material escrito em hebraico/aramaico. Mas a gruta 7 continha fragmentos e jarros com escrita em grego. No momento dessa descoberta não se percebeu o seu valor. O Dr. C.H.Roberts datou alguns fragmentos como sendo muito antigos: o fragmento 7Q5 seria do ano 50 d.C..
Identificação do fragmento 7Q5
Em 1972 o papirólogo e paleógrafo jesuíta Pe. José O'Callaghan trabalhando com o fragmento 7Q5 fez a identificação visual do mesmo com uma passagem do Evangelho de Marcos, Mc 6,52-53. Entrou em contato com o Pe.Ignace de la Potterie, que o aconselhou a fazer os testes no computador, para que não houvessem dúvidas quanto à identificação. Foi então usado o sofisticado programa Ibycus, que fazia pesquisa em toda a literatura greco-romana até então conhecida e em todos os outros textos da ntiguidade. A única identificação que o programa acusava era a mesma passagem do Evangelho de Marcos apontada por O'Callaghan. Não havia dúvida quanto a identificação: ela estava correta!
Os fragmentos de Mateus do Magdalen
Em 1994, o papirólogo alemão Carsten Peter Thiede revendo fragmentos antigos do Novo Testamento, deparou-se com os do Evangelho de São Mateus guardados no Magdalen College, em Oxford, na Inglaterra. São três fragmentos do capítulo 26 de S. Mateus, escritos na frente e no verso. Observando-os melhor, constatou que eles possuíam uma escrita que não era de uma data tardia (início do segundo século, como se presumia anteriormente) mas deveriam ter sido escritos no máximo pelo ano 50 d.C.. Isto era extraordinário! Estes fragmentos pertenciam a uma cópia do Evangelho de Mateus, o que significa que o original era ainda anterior a esta data.
"Evangelho de Tomé"
Até a primeira metade do século XX, a existência de um evangelho apócrifo denominado "de Tomé" só nos era conhecida através de informações e pequenos textos transmitidos por alguns escritores eclesiásticos, como Santo Hipólito de Roma, São Cirilo de Jerusalém e Santo Irineu.
Em 1945-1946, foram encontrados em Khenoboskion, nas proximidades de Nag-Hammadi, no Egito, diversos manuscritos em língua copta, entre os quais figurava um volume contendo o "Evangelho de Tomé".
Não é propriamente um evangelho destinado a apresentar, em seqüência natural, a vida e os ensinamentos de Cristo, mas um grupo ou antologia de 114 lógios ou ditos atribuídos a Jesus. Tanto assim que ficou também conhecido pelo nome de "ditos de Jesus".
O "Evangelho de Tomé" foi encontrado na biblioteca de uma seita gnóstica, e reflete as idéias reinantes entre os primeiros gnósticos, tendo sido por isso considerado herético.
Alguns acham que ele poderia conter os ditos ou "logia" de Jesus, e por isso ele poderia ter sido usado na composição dos 4 Evangelhos Bíblicos. Isso teria acontecido porque achava-se que os Evangelhos teriam sido escritos tardiamente.
DESCOBERTAS MAIS RECENTES DE MANUSCRITOS SOBRE A ORIGEM DOS EVANGELHOS
Hoje em dia existem várias escolas que defendem posições diversas a respeito da historicidade dos Evangelhos. Contudo, devido às recentes(?) descobertas no campo da papirologia, pouco a pouco está se firmando a posição que afirma serem os Evangelhos relatos históricos.
INFLUÊNCIA DA CULTURA GRECO-ROMANA NO CRISTIANISMO
Pregadores Cristãos Antigos tais como Paulo, o Apóstolo, trouxe o evangelho sobre Cristo Jesus para um império já cheio de divindades. Os cidadãos do império Romano e, dentro de certos limites , até mesmo seus governantes, eram extremamente tolerantes com deuses estrangeiros. O mais antigo e mais aceito grupo de divindades estrangeiras eram os deuses da Grécia antiga. Esses deuses tinham feito sua casa no mundo Romano muito antes, e junto com a arte Grega e literatura. Algum destes deuses Gregos compartilharam nomes Romanos e adquiriram algumas características Romanas.
Segundo a mitologia Grega, quando os filhos de Cronus dividiu o universo entre eles mesmos, Zeus recebeu algumas regiões do mundo, Poseidon reclamou as regiões vastas do oceano como seu domínio, e Hades recebeu as regiões abaixo a terra.
Localizado no Mt. Olympus, os deuses formaram uma espécie de família, uma sociedade exclusiva, com suas leis e hierarquia. Primeiro veio os doze grandes deuses e deusas: Zeus, Poseidon, Hephaestus, Hermes, Ares, e Apollo; Hera, Athenas, Artemis, Hestia, Aphrodite, e Demeter. Não separado destes doze originais , mas colocado com eles várias outras divindades , o mais importante deles são Helios e Selene (o sol e a lua) e Dionysus.
Como o primeiro dentre eles, o Zeus poderoso.
Esses deuses lembram pessoas, exceto os mais poderosos , maiores, e mais belos. Iguais aos mortais, eles experimentaram emoções, tais como amor, ódio, raiva, e ciúme. Mas diferente dos mortais, seus corpos são sempre curados, e eles nunca envelheciam. Os deuses também possuíam a capacidade para transformar-se no que quisessem, incluindo animais e objetos inanimados.
Zeus:
Até mesmo nos poemas Gregos antigos , Zeus foi o governante dos deuses, ou da maioria dos poderosos e dos sábios. Mas , Zeus também era acusado por numerosas indiscrições sexuais com deusas e mulheres mortais. Essas ligações resultaram no nascimento de um número de semi-deuses e heróis, para quem os Gregos também estabeleciam cultos. A despeito de sua sabedoria e majestade, Zeus podia também ser indulgente e ocasionalmente cruel.
No primeiro século antes da era comum, sua identidade fundiu-se com Júpiter, deus Romano. E este novo Zeus/Jupiter foi tornar-se o supremo, uno, poderoso, e protetor benevolente do império Romano. Ligado aos assuntos terrestres foi freqüentemente igualado com a providência divina e trabalhando o Destino.
Apollo:
Não que seja confundido com o sol si mesmo, que foi representado por uma divindade especial, Helios, Apollo foi além disso um deus solar. Apollo foi pensado como um arqueiro-deus, cujas flechas podiam curar. Ele foi também o deus da música e da lira, assim como o deus de advinhação e profecia. Seu santuário em Delfos foi um dos maiores santuários sagrados do mundo Grego para revelação e interpretação.
NoIliad,
Narrativa épica do Pombo Correio da Guerra De Troia, Apollo aliado ele mesmo com os Troianos. Desde Roma subseqüentemente requeriam os Troianos como seus antecessores. O primeiro imperador de Roma, Augustus, colocou seu reino sob proteção especial do Apollo. Para reforçar sua associação com o deus, Augustus construiu um santuário para Apollo próximo a seu palácio no morro do Palatino em Roma. Mais Tarde, Nero o imperador, que fantasiado ele mesmo de músico, poderia também reclamar uma associação especial com o Apollo.
Artemis:
Artemis foi a irmã gêmea de Apollo. Sua mãe foi Leto, uma das muitas deusas seduzidas por Zeus. como Apollo , Artemis foi uma deusa do caça. Gostava de seu irmão, que foi associado com a luz do sol, Artemis foi associado com a luz da lua. Como tal, em algumas regiões ela foi também considerada a
protetora dos túmulos dos mortos.
Muito diferente em origem e aparecimento é Artemis de Ephesus, cujo templo imenso veio ser conhecido como um dos sete maravilhas do mundo antigo. Artemis foi uma deusa de fertilidade e fecundidade.
Aphrodite:
A filha de Zeus foi uma divindade feminina menor, Aphrodite foi a personificação da beleza feminina. Embora não menos do que as deusas do Olympo que eram belas, unicamente Aphrodite esbanjava charme e sedução. Embora ela pode ser considerada como uma deusa da fertilidade, ela é conhecida primeiramente como a deusa de amor. Seus devotos são moças e viúvas, procurando obter maridos, ou amantes.
No mundo Romano ela foi também identificada como Venus, a deusa sedutora e bela que foi a mãe de Aeneas, o herói encontrado de Roma segundo lenda. Mas desde Júlio César, o imperador Augustus, e não menos do que os imperadores Romanos antes de Nero que o traçou como seu próprio ancestral.
Demeter:
Foi provavelmente a que mais afetou as vidas e fortunas de pessoas comuns. Ela foi a deusa de fertilidade e das frutas da colheita.
Seu santuário primário foi no Eleusis, num país além de Atenas. E seu culto centralizou no renascimento de uma estória em que os Gregos explicavam os mistérios das estações agrícolas e, como a vegetação da terra parecia morrer no inverno, unicamente para ressurgir outra vez em toda primavera.
Além dos dois festivais anuais em que o fim da colheita e a renovação da planta era comemorado, um festival maior acontecia todos os anos.. O objeto principal deste festival era a veneração pública de Demeter. Embora aos Romanos geralmente não eram permitidos para esses ritos secretos, a deusa sabiamente permitia uns poucos. Nós sabemos que ao menos dois imperadores, foram iniciados dentro de seus mistérios e que participaram de seu culto com presentes substanciais.
Desde os ???s destes mistérios e seus rituais permanecidos em segredo, historiadores não sabem exatamente o que. Sabe-se, entretanto, que foi concedido alguma garantia do favor continuado da deusa, ambas nesta vida e a próxima.
Dionysus:
Embora não seja um dos Olimpicos originais, o culto de Dionísio era muito antigo e foi celebrado por todo o mundo Grego e além dele. Como deus do vinho e dos prazeres de seu cultivo, seu culto ficou associado com o de Demeter em um tempo anterior. Como o Demeter, seus devotos faziam de cerimônias sérias e paradas, celebrações orgíacas e festivais.
Mais Tarde Roma, temendo que esses festivais pudessem conduzir a agitação civil, tentando suprimir seu culto, mas não teve muito sucesso.
Era de aparência amadurecida, homem barbado, rústico e algo adolescente efeminado com atributos exóticos, seu caracter essencial permaneceu com um toque charmoso. Ele foi descrito como o deus que trouxe as prazeres e êxtases do vinho, assim como os frutos de civilização, e não unicamente à Grécia mas também além da Índia e Egito. Mas Dionysus também podia reduzir casais à loucura, se eles o aborrecessem.
Durante o período Romano uma nova lenda desenvolvida concernente à Dionysus, que oferece intrigante paralelos com a Cristandade. Segundo esta lenda, Dionysus foi morto enquanto batalhava com os inimigos de Zeus. Seu corpo foi desmembrado, mas o Zeus o restaurou para vida imortal. Dionysus ficou agonizante e ascendeu a deus, é um símbolo de vida eterna.
. A devoção do Grego ou Romano centralizou nos deuses de posições menores, deuses que tinham sido mortais uma vez e que, portanto, compreendia os sofrimentos dos mortais.
No evangelho de Mateus, o nascimento de Jesus, mensageiro de Deus, teve como sinal, uma estrela ascendendo no Oriente, que guiou os reis magos,que viajava de uma terra distante à Belém para ver o futuro rei (Matt 2:1-2). Jesus dos evangelhos faz numerosas curas, e em várias ocasiões ele até mesmo faz o morto retornar para a vida. E no Livro de Atos, uma visão de Jesus ascendido aparece a Saulo na estrada de Damasco (Atos 9:1-7). Como um resultado deste encontro, Saulo é convertido e futuramente torna-se Paulo, que dedica toda sua vida à serviço de Cristo
Estórias de pessoas divinas, restabelecimentos miraculosos, visões místicas, e ressurreições foi dito sobre um número de semideuses ou heróis. De fato, um número de fenômenos sobrenaturais foi até mesmo atribuído a certos filósofos e imperadores.
Historiadores Romanos tais como Suetonius e Tacitus freqüentemente relata a ocorrência de homens miraculosos. Referente aos imperadores, particularmente, no começo ou término de seus reinados, porque Roma colocou seus governantes na reunião de cúpula de sociedade humana, isto por que acreditavam que eles serviam como mediadores à vontade dos deuses na terra. Portanto, o aparecimento de homens, para bem ou mal, foi o meio como os deuses sinalizavam sua vontade em romances humanos.
Depois da morte de Júlio César, Suetonius (Ave César: Julius) relata que nos funerais em sua honra "um cometa brilhou por sete dias sucessivos, ascendendo sobre a décima primeira hora, e acreditavam ser a alma de Cesar, que tinha ido para o paraíso.
Outra estória também atestada ao Augustus raramente relacionada ao Apollo, o deus de profecia, por crer que o imperador advinhou de antemão o resultado de não menos do que suas guerras (Suetonius Ave César: Augustus).
Milagres:
No primeiro século da era comum, homens renomados podiam também fazer milagres. O imperador Vespasiano (o general Romano anterior tinha feito amizade com Josephus, historiador Judeu durante a Primeira Revolta Judaica) acreditou-se que fez vários milagres. Segundo estórias registradas pelo Dio Cassius dos historiadores Grego e Tacitus, Vespasiano curou várias pessoas no Egito. Dentre esses milagres, Vespasiano,curou um homem cego e restaurando a mão mutilada de outro homem (Histórias FazTacitus 4.81).
Mas forças miraculosas não foram limitadas aos imperadores, ou até mesmo à pessoas de elite política e social do império. Milagres foram um sinal de um relacionamento especial entre os deus e indivíduos particulares. Pessoas que acreditava-se possuir grande sabedoria ou virtude esteve também freqüentemente com fama de desempenhar milagres.
Um exemplo interessante foi com o filósofo itinerante Apollonius de Tyana. Apollonius foi um seguidor em I ac, do filósofo Grego famoso, Pythagoras, Acreditou-se que tinha tornado-se um deus. Tendo renunciado à suas posses , dizia-se que ele era possuído da sabedoria divina, incluindo conhecimento inato de todas línguas, a capacidade para predizer o futuro, e a capacidade para ver através de grandes distâncias, capacidade para curar possessos e doentes, e Philostratus narra a qualidade miraculosa de um número destas curas e exorcismos.
No geral, esses semideuses, cuja condição é expressa no fato de que eles vivem como mortais; mas quando eles morrem, eles recobram sua aparência humana vigorosa, assim como suas forças anteriores. Por causa de sua condição única e qualidades, na imaginação popular esses semideuses foram freqüentemente considerados como protetores.
Hércules:
Segundo lenda Grega, Hércules foi o filho de Zeus com uma mulher mortal de linhagem nobre, cujo nome foi Alcmene. A esposa vingativa de Zeus, Hera, tentado matar Hércules quando criança, colocou serpentes no local onde ele e seu irmão gêmeo dormiam. Mas Hércules estrangulou as cobras, salvando assim a ele mesmo e a seu irmão gêmeo.
Além do semi-divino parentesco e nascimento em circunstâncias difíceis, outro recurso comum das vidas de semideuses é que eles encontram ignominia ou grande desgraça, que eles devem superar antes ou após a morte. Depois ele cresceu e casou, Hércules foi tomado por uma loucura fatal e, matou sua esposa e filhos. Para resgatar este crime terrível, foi que ele desempenhou os doze trabalhos sobre-humanos que livraram o mundo de aterrorizar os monstros e trouxeram nova segurança aos habitantes do mundo.
Por causa de seu vigor sobre-humano, Hércules foi o patrono do atletas, e santuários em sua honra adornados virtualmente todos os ginásios, por todo o Mundo Greco-romano. Mas seu papel mais importante foi o de patrono poderoso e protetor de existências humanas e deus da mesma forma.
Asclepius:
O filho de Apollo com uma mulher mortal, Asclepius foi educado por um centauro sábio (uma criatura mítica, meio homem e meio cavalo ). Este centauro, cujo nome era Chiron, ensinou Asclepius as artes de curar de modo que ele podia reduzir os sofrimentos de mortais. Com esas curas miraculosas, Asclepius rapidamente ganhou grande fama. Motivado pela compaixão, ele até mesmo foi bem-sucedido em restaurar um morto para a vida. Hades queixou-se à Zeus que se isto fosse permitido continuar, o universo poderia ser subvertido. Zeus concordando, abateu Asclepius com um raio. Em algumas versões da estória, Asclepius foi transformado em uma estrela depois de sua morte.
Asclepius foi um deus imensamente popular, originalmente na Grécia e mais tarde também em Roma. Pelo quarto século antes da era comum, ele tinha estabelecido um número de santuários na Grécia, os mais importantes sendo em Cos e Epidauros. No terceiro século ac, seu culto foi levado a Roma, depois que a cidade tinha sido acometida por uma praga. O conhecimento médico do Asclepius e as forças de restabelecimento divinos, alimentaram duas tradições distintas dentro do Mundo Grego.
Os imperadores Romanos tiveram fundos extensos pois eles podiam promover as mensagens religiosas e políticas de seu reinos através da arte monumental.
"Dá a César o que é de César," diz Jesus como relatado nos evangelhos (Marcos 12:17; Matt 22:21; Lucas 20:25). Essas palavras foram ditas quando um dos Fariseus apresentou uma moeda com um imagem da cabeça do imperador em uma de suas faces. O ponto de comentário do Jesus é que não seria a matéria que daria poder ao imperador; seu reinado é realmente espiritual
Nisto e outras cenas narradas, o Novo Testamento reflete uma consciência afiada que a mensagem de boas novas com respeito a Jesus deve competir em um mundo onde, muitas mensagens diferentes facilmente circulam através de todo nível de vida diária. Moedas Imperiais não unicamente retrata o rosto do imperador mas freqüentemente eles anunciam suas realizações.
A maioria das mensagens comuns que moedas Romanas enfatizam com respeito aos imperadores são suas realizações em batalha que mantida a paz, faz o império ser beneficiado.
Arte Religiosa Popular
A situação na cidade provincial de Filipos é um caso em ponto.
Segundo o Livro de Atos, Paulo começou sua viagem missionária maior em Filipos (Atos 16:11-40). Além Disso, nós temos sua carta ao Filipenses em que ele dedica uma afeição especial à comunidade Cristã lá.
Localizado ao Nordeste , na Grécia, Filipos era uma colônia Romana ao longo da Via Egnatia, a rodovia principal que conduzia a Roma à costa Egeu
O santuário da Deusa Diana (a contra-partida Romana de Artemis da deusa Grega), tem mais de noventa representações dela, em várias caçadas. Talvez não seja surpreendente em uma área assim predominantemente rural. Esta evidência de assunto popular aos riscos e recompensa do caçador é além disso enfatizado pela presença dentre essas mesmas rochas de uns santuários de Sylvanus, um deus Romano.
Embora essas divindades de madeira e a caça predomina a paisagem rochosa acima a cidade de Filipos, uma variedade de outras divindades são também representadas, incluindo a mãe da deusa Cybele, Isis, deusa do Egito. Embora Egípcia em origem, Isis ficou extremamente popular no império Romano como uma deusa da compaixão que podia curar, proteger, melhorar a vida no próximo mundo.
Mais Alto para cima a montanha, Isis teve seu templo; um pequeno complexo de santuário. Mas ela é também honrada. Em uma das inscrições, Isis é honrada como a Rainha do Paraíso, um título freqüentemente repetido para esta deusa. Outros títulos para ela como misericordiosa e poder de curar.
Paulo parece compreender esta necessidade dos Filipenses comum. E nela, ele procurou endereçar seu desejo para encorajar a oração e redirecionar suas súplicas a um Deus de fé Cristã:
" não se inquieteis com nada, mas em todas as circunstâncias manifestai à Deus as vossas necessidades, por meio de orações e súplicas unidas à ação de graças "(Phil 4:6).
CATACUMBAS CRISTÂS EM ROMA DO 1O SÉCULO
Cenas das catacumbas: Arte Cristã Popular Antiga
A extensa e quase exploração contínua das catacumbas Cristãs antigas tem revelado um rico, embora grande mundo oculto de arte Cristã antiga.
Embora para alguns Cristãos elas têm sido o objeto de peregrinação religiosa desde sua criação, começaram visitando o catacumbas Romanas com o espírito de investigação histórica. Em 1475 o fundador da Academia Romana descobre paredes cobertas com pinturas de cenas bíblicas em uma visita ao catacumba de S. Calixto, localizado no Caminho Do Appian.
Escavações de uma área ao norte da cidade. Antes do fim do século, o primeiro de várias catacumbas Judaicas tinha também sido descoberto em Roma. E a descoberta de mais catacumbas tem continuado quase ao tempo presente.
Como fez a piedade popular dos Cristãos do terceiro e quartos séculos expressarem a si mesmos nas pinturas das paredes? Primeiro, figuras humanas, geralmente representações da morte de Jesus, são descritas em umas altamente maneira estilizada. Tipicamente, eles ficam com braços levantados e olhos também levantados em uma atitude de oração Cristã antigas. Túmulos Cristãos antigos estão também freqüentemente decorados com símbolos religiosos tal como a cruz e o peixe.
Um terceiro assunto tipicamente retratado no início de arte dos túmulos Cristãos são uma variedade rica de cenas de estórias bíblicas. Aqui uma progressão certa ou desenvolvimento pode ser visto no tipo de assuntos bíblicos.
No terceiro século, as cenas bíblicas são invariavelmente tomadas das estórias do Velho Testamento. Provavelmente por causa das perseguições que começaram no meio do terceiro século onde um grande número de Cristãos foram mortos.
Com a chegada da paz na Igreja no quarto século, a arte do catacumba ficou enriquecida pela adição de um número de cenas bíblicas Cristãs, incluindo ilustrações dos milagres de cura narrados nos evangelhos.
Mas de longe o maior assunto retratado foi Cristo ele mesmo no papel do Bom Pastor. E este fenômeno fornece evidência dramática que no Cristo da mente popular, tinha vindo assumir o papel de protetor divino, e salvador como os predecessores do paganismo Cristãos do quarto século , curando, e salvando divindades como Hércules, Asclepius, Artemis, Mithras, e especialmente Isis. No fim, as virtudes do muitos tinham ido residir no Um.

Nenhum comentário:

Postar um comentário