14 de dez de 2017

Evangelho / Ufologia

    CURIOSIDADES SOBRE A GRAVIDEZ DE ANA, MÃE DE MARIA

    Nos Evangelhos Apócrifos, as discussões estão se acirrando, e não tardará a Ufologia requerer seu quinhão nessa boa briga.
    Mas por que a Ufologia deveria infiltrar-se nessa discussão? Ora, vejamos o que dizem esses Evangelhos Apócrifos. Primeiramente eles começarão derrubando aquela velha máxima de que Jesus vinha de família pobre e sem recursos. Observem o que disse o "ANJO" do Senhor, no Apócrifo chamado "Livro da Natividade de Maria", atribuído a São Jerônimo, sobre os avós do Mestre:
     I
     1. A bem-aventurada e sempre gloriosa Virgem Maria descendia de uma estirpe régia e pertencia à família de David. Nasceu em Nazaré e foi educada no templo do Senhor na cidade de Jerusalém. O pai chamava-se Joaquim e a mãe Ana. Era nazarena por parte do pai e belenense pela mãe.
    2. A vida desses esposos (Ana e Joaquim), era simples e reta na presença do Senhor e irrepreensível e piedosa perante os homens. Suas terras eram divididas em três partes: uma destinada para o templo de Deus e seus ministros; outra para os pobres e peregrinos; a terceira reservavam-na para si e para seus servos.
    3. Mas esses esposos tão queridos por Deus e tão piedosos para com o próximo, tinham vinte anos de vida conjugal em casto matrimônio, sem descendência. Mas tinham feito um voto que se Deus lhes concedesse um rebento, consagrariam-no ao serviço divino. Por este motivo, durante os dias festivos do ano iam ao templo de Deus.
    II
    1. A festa da Dedicação no templo aproximava-se e Joaquim dirigiu-se a Jerusalém em companhia de alguns patrícios. Naquele tempo era sumo sacerdote Isacar que ao vê-lo entre seus concidadãos, menosprezou-o e rejeitou seus presentes, perguntando-lhe como se atrevia a comparecer entre os prolíferos já que era estéril.
    Disse-lhe ainda que suas oferendas não seriam aceitas por Deus pois este considerava-o indigno da posteridade e clamou pelo testemunho da Escritura, que declarava maldito a quem não gerasse um varão em Israel.
    Avisou-o de que o primeiro deveria ter filhos para livrar-se da maldição e que só então poderia apresentar-se com oferendas para o Senhor.
    2. Joaquim ficou morto de vergonha ante tamanha injúria e se retirou aos seus campos onde se encontravam os pastores e rebanhos, sem querer voltar para casa para não se expor ao desprezo dos companheiros que tinham presenciado a cena e ouvido o que Isacar lhe dissera.
    III
    1. Já fazia algum tempo que se encontrava naquele lugar, quando um dia que estava sozinho, apareceu-lhe um anjo do Senhor, rodeado de grande esplendor. Ficou atemorizado ante a visão, mas o anjo da aparição livrou-o do temor dizendo: "Joaquim, não tenhas medo e nem te assustes comigo. Sou um anjo do Senhor. Ele me enviou para anunciar-te que tuas preces foram ouvidas e que tuas esmolas subiram até Sua presença. Teve por bem olhar para tua confusão depois que chegou a Seus ouvidos a infâmia de esterilidade da qual injustamente te acusam. Deus é verdadeiramente vingador do delito, mas não da natureza. E por isso quando resolve fechar a matriz, o faz para poder abri-la de novo de uma forma mais admirável e para que fique bem claro que a prole não é fruto da paixão, mas sim da liberdade divina.
    2. Efetivamente Sara, a mãe primeira de vossa linhagem, não foi estéril até os oitenta anos? E, não obstante, deu à luz já muito anciã a Isaac, a quem aguardava o bênção de todas as gerações. Também Raquel, apesar de ser tão grata a Deus e Tão querida do santo Jacó, foi estéril durante muito tempo, sem que isso fosse obstáculo para que gerasse José que foi não só senhor do Egito, mas também o libertador de muitos povos que iam morrer de fome. E houve juiz mais forte que Sansão e mais santo que Samuel? Apesar disso, ambos tiveram mães estéreis. Se a razão, contida em minhas palavras, não consegue convencer-te, acredita pelo menos que as concepções esperadas por muito tempo e os partos provenientes da  esterilidade geralmente são os mais maravilhosos.
    3. Saiba então que Ana, tua mulher , vai dar à luz um menina, a que colocarás o nome de Maria e que viverá consagrada a Deus desde sua infância em consonância com o voto que fizestes, e já desde o ventre da mãe estará plena do Espírito Santo. Não comerá nem beberá nada impuro e nem passará sua vida entre o bulício da plebe, mas no recolhimento do templo do Senhor, para que ninguém possa chegar a suspeitar e nem falar algo desfavorável a ela. E quando for crescendo da mesma forma que ela nascerá de uma mãe estéril, ou seja, virgem, gerará de maneira incomparável o Filho do Altíssimo. O nome Deste será Jesus, porque de acordo com seu significado será o salvador de todos os povos.
    4. Este será o sinal de que é verdade tudo que acabo de dizer-te: Quando chegares à porta Dourada de Jerusalém, encontrarás Ana, tua mulher, que virá a teu encontro. Ela, que agora está preocupada por tua demora em regressar, alegar-se-á profundamente ao ver-te de novo."
    Engraçado que esse mesmo "Anjo" deve também ter aparecido para Mateus e Tiago, pois os Apócrifos de ambos, de forma semelhante, ditam a mesma história. Mas no Apócrifo de Mateus o "Anjo" que aparece a Joaquim, entra em detalhes mais que intrigantes:
    1. Naquele mesmo tempo apareceu um jovem entre as montanhas onde Joaquim pastoreava seus rebanhos e lhe disse:
    "Por que não voltas ao lado de tua esposa?"
    Joaquim replicou:
    "Já faz vinte anos que tenho a mulher e, já que o Senhor houve por bem não dar-me filhos dela, vi-me obrigado a abandonar o templo de Deus ultrajado e confuso. Para que voltar a seu lado como estou, cheio de desonra e vexado? Ficarei aqui com meu gado até que Deus queira que a luz deste mundo me ilumine. Mas nem por isso deixarei de dar, com muito boa vontade, através de meus criados, a parte que corresponde aos pobres, às viúvas, aos órfãos e aos servidores de Deus."
    2. Nem bem terminou de falar e o jovem lhe respondeu: " Sou um anjo de Deus e hoje apareci a tua mulher quando orava afogada em prantos; saiba que ela já concebeu de ti uma filha. Esta viverá no templo do Senhor, e o Espírito Santo repousará sobre ela. Sua felicidade será maior do que a de todas as mulheres santas. Tanto é assim que ninguém poderá dizer que no passado houve alguma mulher semelhante a ela, e nem no futuro alguma lhe será comparável. Por tudo isso, desce já destas montanhas e corre para tua mulher. A encontrarás grávida, pois Deus dignou-se a suscitar nela um germe de vida; e esse germe será bendito e ela mesma também será bendita e ficará constituída como a mãe da eterna bênção."
    3. Joaquim prostrou-se em atitude de humilde adoração e disse: Já que fui agraciado com tua visão, vem repousar em minha tenda e abençoar este servo." Ao que o anjo respondeu: "Não te chames de teu servo, e sim de co-servo; pois ambos estamos na condição de servir ao mesmo Senhor. Minha comida é invisível e minha bebida não pode ser captada pelos olhos humanos; portanto não é necessário que me convides. Será melhor que ofereças a Deus em holocausto o que me darias de presente."
    Então Joaquim pegou um cordeiro sem nenhum defeito e disse ao anjo: "Nunca me teria atrevido a oferecer um holocausto a Deus se teu mandado não me tivesse dado potestade de fazê-lo."
    O anjo replicou:
    "Eu tampouco te convidaria a oferecê-lo se não conhecesse o beneplácito divino."
    E ocorreu que, quando Joaquim oferecia seu sacrifício, junto com o perfume deste e, por assim dizer, com a fumaça, o anjo elevou-se ao céu.
    Então Joaquim prostrou a face na terra e ficou ditado desde a sexta hora até a tarde. Quando seus servos e assalariados chegaram por não saber o que aquilo significava, encheram-se de espanto, pensando que ele quisesse suicidar-se. Aproximaram-se e com muito esforço conseguiram levantá-lo do chão. Então ele lhes contou sua visão, e todos, movidos pela admiração e estupor produzidos pelo relato, aconselharam-no que obedecesse sem demora a ordem do anjo e que voltasse depressa para a mulher. Mas aconteceu que, enquanto Joaquim pensava se era ou não conveniente voltar, adormeceu e em seus sonhos apareceu-lhe o mesmo anho que vira anteriormente quando estava acordado. Este falhou-lhe assim:
    "Eu sou o anjo designado para tua guarda; desce tranquilamente e fica ao lado de Ana, porque as obras de misericórdia que tanto ela quanto tu fizestes foram apresentadas ante o Altíssimo, que houve por bem legar a ambos uma posteridade como nunca puderam ter desde o princípio os santos e profetas de Deus, e que nem poderão tê-la no futuro."
    Joaquim chamou os pastores, quando acordou, para contar-lhes o sonho. Estes lhe disseram, prostrados em adoração ante Deus:
    "Toma cuidado e não desprezes mais as ordens de um anjo do Senhor.
    Levanta-te e vamos. Avançando lentamente, poderemos ir cuidando nossos rebanhos."
    Antes das despedidas, vamos aos questionamentos:
    1º) Sabemos que Ana e Joaquim não podiam ter filhos, já que, ao que tudo indica, Ana era estéril, mas mesmo assim Maria nasceu. Seria um milagre da Divina Providência ou o "anjo" que lhe apareceu a "operou", proporcionando-lhe a fecundidade?
    2º) Quem fecundou Ana se Joaquim encontrava-se longe de casa?
    3º) Teria Joaquim tido um contato de 3º grau, já que o "anjo" de Deus apareceu-lhe "rodeado de um imenso esplendor", e após isso "elevou-se aos céus" em meio à fumaça?
    4º) O que teria causado tamanho choque a um homem como Joaquim, que o teria deixado "prostrado ao chão" durante horas, e que levou grande dificuldade aos seus servos a levantar-lhe?
    5º) O que queria o "anjo" dizer com: "minha comida é invisível e minha bebida não pode ser captada por olhos humanos"?


Marcia Sauchella

Nenhum comentário:

Postar um comentário