25 de mai de 2017

ASSIMILAÇÃO DE CORRENTES MENTAIS

    Faltavam apenas dois minutos para as vinte horas, quando o dirigente espiritual mais responsável deu entrada no pequeno recinto.
    Nosso orientador articulou a apresentação.
    O Irmão Clementino abraçou-nos acolhedor.
    A casa pertencia-nos a todos, explicou sorridente. Estivéssemos, pois, à vontade, na tarefa de que nos achávamos investidos.
    A essa altura, diversas entidades do nosso plano colocaram-se junto dos médiuns que estariam de serviço.
    Clementino avançou em direção de Raul Silva, perto de quem se postou em muda reflexão.
    Logo após, Áulus convidou-me ao psicoscópio e, graduando-o sob nova modalidade, recomendou-nos acurado exame.
    Foquei os companheiros encarnados em concentração mental, identificando-os sob aspecto diferente.
    Dessa vez, os veículos físicos apareciam quais se fossem correntes eletromagnéticas em elevada tensão.
    O sistema nervoso, os núcleos glandulares e os plexos emitiam luminescência particular. E, justapondo-se ao cérebro, a mente surgia como esfera de luz característica, oferecendo em cada companheiro determinado potencial de radiação.
    Assinalando-nos a curiosidade, o Assistente explicou:
    - Em qualquer estudo mediúnico, não podemos esquecer que a individualidade espiritual, na carne, mora na cidadela atômica do corpo, formado por recursos tomados de empréstimo ao ambiente do mundo. Sangue, encéfalo, nervos, ossos, pele e músculos representam materiais que se aglutinam entre si para a manifestação transitória da alma, na Terra, constituindo-lhe vestimenta temporária, segundo as condições em que a mente se acha.
    Nesse instante, o irmão Clementino pousou a destra na fronte do amigo que comandava a assembléia, mostrando-se-nos mais humanizado, quase obscuro.
    - O benfeitor espiritual que ora nos dirige - acentuou o nosso instrutor - afigura-se-nos mais pesado porque amorteceu o elevado tom vibratório em que respira habitualmente, descendo à posição de Raul, tanto quanto lhe é possível, para benefício do trabalho começante. Influencia agora a vida cerebral do condutor da casa, à maneira dum musicista emérito manobrando, respeitoso, um violino de alto valor, do qual conhece a firmeza e a harmonia.
    Notamos que a cabeça venerável de Clementino passou a emitir raios fulgurantes, ao mesmo tempo que o cérebro de Silva, sob os dedos do benfeitor, se nimbava de luminosidade intensa, embora diversa.


Livro: "Nos Domínios da Mediunidade"  -  Francisco C Xavier - André Luiz

24 de mai de 2017

VAGA RECORDAÇÃO

Questão 396 do Livro dos Espíritos

Há pessoas muito criativas e que podem, com os pensamentos, buscar a irrealidade em muitas direções do saber, apresentando a ficção como real. A realidade, no entanto, foge de ambientes previamente preparados, visando ao engano. Não obstante, existem muitas recordações em que a intuição aparece como em um sonho, dentro da leveza da sua própria vida, a trazer a verdade ao Espírito, que sempre silencia, por ser um segredo que somente a ele pertence, naquela fase.
As revelações espirituais são sutis, penetrando na alma com naturalidade. Por enquanto, as grandes mediunidades se manifestam mais em pessoas “incultas”, para que não desafiem as faculdades medianímicas com a sua própria intelectualidade.
Há muitas criaturas que criam histórias, casos referentes a si mesmas e, quase sempre, dizem que foram grandes personagens da história, e sentem-se bem em viver dentro da sua criação, mesmo sabendo que não é a verdade. Com o tempo, ela deixa de acreditar nela mesma, desconfiando de suas “descobertas”. Isso é muito sério, principalmente para os espiritualistas conhecedores de algumas leis espirituais. Convém a todos os Espíritos silenciar sobre esse assunto de lembranças de vidas passadas. Basta saber que a reencarnação é um fato, fazendo os devidos reparos para novas investidas na carne, sem querer inquirir quem foi, mas preocupando-se com o que será.
A Doutrina dos Espíritos nos traz a cada dia uma nova feição das realidades, no sentido de que a criatura se eduque cada vez mais e se instrua todos os dias sobre a verdade. Geralmente, quando ficamos sabendo que fomos grande personagem no passado, nós o anunciamos com orgulho; se nos é revelado que fomos um assassino, um marginal, um pária, nós nos silenciamos por completo. Não nos interessa que os outros saibam dessa época em que nos colocamos à margem dos ensinamentos de Jesus.
Mesmo que venham a nós as recordações do passado, mesmo que venham na sutileza da consciência, mesmo que nos seja revelado por fontes seguras, o melhor procedimento é o silêncio e o trabalho para o melhoramento das nossas qualidades espirituais, porque somente reparando as arestas do passado e os nossos impulsos inferiores, ascenderemos para a Luz de Deus.
As recordações mentirosas podem aparecer na nossa mente, às vezes por ação dos nossos inimigos espirituais. Eles brincam com os nossos sentimentos, por estarmos na sua faixa de vibrações. Se aceitamos a mentira, é porque ela existe dentro de nós, vestida por roupagens que às vezes desconhecemos. Ao recordarmos alguma coisa do passado, analisemos o que estamos recordando, pondo à prova no laboratório íntimo, deixando fermentar por muito tempo; depois, esqueçamos e trabalhemos no bem comum. Vejamos, então, durante nossos esforços na caridade, se surge algum dos pensamentos contrários à luz.
O bem que pretendemos fazer ou que estamos fazendo, não deve ser anunciado; o melhor anúncio é a sua prática. A caridade não precisa de ser mostrada. Ela é a luz, e mesmo que se queira escondê-la, a própria natureza a colocará em cima da mesa, para que todos a vejam. Se for exposta pelas nossas mãos, ela desvaloriza sua grandeza espiritual.
Tenhamos muito cuidado com as vagas e próprias recordações sobre as nossas vidas passadas, principalmente quando se refere a grandes personagens. O melhor mesmo é acender a luz na intimidade do coração, pelos fios da caridade e a chama do amor.


Livro: Filosofia Espírita – João Nunes Maia – Miramez - Todos os livros Espíritas como este vendidos em nossa loja terão o lucro repassado à Casa Espírita de Oração Amor e Luz.

23 de mai de 2017

União

AMOR - UNIÃO

         324 –Existe nos textos sagrados algum elemento de comprovação para a teoria das almas gêmeas?
         -Somos dos primeiros a reconhecer que em todos os textos necessitamos separar o espírito da letra; contudo, é justo lembrar que nas primeiras páginas do Antigo Testamento, base da Revelação Divina, está registrada: “e Deus considerou que o homem não devia ficar só”.
         325 –A atração das almas gêmeas é traço característico de todos os planos de luta na Terra?
         -O Universo é o plano infinito que o pensamento divino povoou de ilimitadas e intraduzíveis belezas.
         Para todos nós, o primeiro instante da criação do ser está mergulhado num suave mistério, assim como também a atração profunda e inexplicável que arrasta uma alma para outra, no instituto dos trabalhos, das experiências e das provas, no caminho infinito do Tempo.
         A ligação das almas gêmeas repousa, para o nosso conhecimento relativo, nos desígnios divinos, insondáveis na sua sagrada origem, constituindo a fonte vital do interesse das criaturas para as edificações da vida.
         Separadas ou unidas, nas experiências do mundo, as almas irmãs caminham, ansiosas, pela união e pela harmonia supremas, até que se integrem, no plano espiritual, onde se reúnem para sempre na mais sublime expressão de amor divino, finalidades profundas de todas as cogitações do ser, no dédalo do destino.


Livro “O Consolador” –  Francisco C. Xavier – Emmanuel – Todos os livros Espíritas como este vendidos em nossa loja terão o lucro repassado à Casa Espírita de Oração Amor e Luz.

22 de mai de 2017

COM QUE “CARA” QUE EU VOU?!...

Amigo: Jesus nos abençoe.
Cremos que, a essa altura de nossos estudos, podemos, respeitosamente, lhe formular uma pergunta:
- Com que cara acha que você se apresentará no Mundo Espiritual?!...
Calma. Não estou me referindo à sua “cara moral”, porquanto, afinal de contas, isso é lá com você – embora, neste sentido, a cara da maioria dos defuntos que por aqui desfila é quase que um verdadeiro “circo de horrores”...
A minha pergunta é séria, e mesmo de caráter doutrinário:
- Qual, em geral, é a cara dos desencarnados?! Qual, enfim, a sua fisionomia, ou os seus traços fisionômicos para além da sepultura, que lhes encerra a máscara de cera?...
Sim, com cara você acha que haverá de sobreviver ao fenômeno da morte, e permanecer vivo deste Outro Lado?! Com a mesma que você tenha desencarnado, repleta de cravos e rugas?! Qual será o seu aspecto exterior e a idade que imagina que possa vir aparentar?!...
Não sei se estou conseguindo ser claro.
Faço-lhe tais questionamentos, porque, no capítulo 26, do livro “Nosso Lar”, André Luiz conta que, no Ministério da Regeneração, achou-se “diante do respeitável Genésio, um velhinho simpático...”
Velhos, embora simpáticos, no Mundo Espiritual?!...
Qual a referência que André Luiz estaria tomando para categorizar Genésio de “velhinho”?! Com quantas primaveras ele estaria então: 70, 80, 90, 100 ou mais?!...
Será que deste Outro Lado, todos os espíritos, em seus traços exteriores, são iguais?! Que chato seria um mundo assim, não é, com todo mundo tendo a mesma idade e a mesma cara! Ô louco!...
Insisto: qual será, no Mundo Espiritual, a idade com um recém-nascido desencarnado se apresentará?! Um menino de 12 anos, por exemplo?! Uma jovem com os seus 15 de idade?! Um rapaz com pouco mais de 20, ou 25?! Um homem ou uma mulher madura, contando mais de 50 de vida no corpo físico?!...
Dentro do mesmo raciocínio, ainda ouso lhe perguntar:
- E questão racial?! Como é fica?! Um chinês desencarnado se apresentará com aqueles seus olhinhos puxados, e com eles ficará só Deus sabe até quando?! O que me diz de um esquimó?! De um índio?! De um africano?! Sim, qual será a cor de pele dos espíritos?!...
Nada venham me perguntar, por que, afinal, quem está fazendo as perguntas sou eu?!...
Deste Outro Lado da Vida, os espíritos continuam com as suas diferenças raciais, e até mesmo idiomáticas?!...
Confesso a vocês que nunca li nada a respeito, porque, infelizmente, a maioria dos espíritas vive discutindo se o passe, no Centro Espírita, deve ser dado de chaleira ou de calcanhar, e não atenta para questões de maior transcendência, que a Doutrina é chamada a responder.
Você que é orador e sabereta espírita, o que tem a me dizer?! Qual o motivo de seu mutismo neste sentido?! Chega de estar abordando com superficialidade a vida no Mundo Espiritual!...
90% das palestras que, hoje, são realizadas nos Centros Espíritas são de autoajuda – elas pouco acrescentam em termos de conhecimento doutrinário! Os oradores querem fazer sorrir, serem aplaudidos e irem para a galera...
Estudar Doutrina a fundo, pouca gente quer e pouca gente sabe.
Doeu?! Deixa doer, pois essa é a verdade, e a verdade dói mesmo, e muito!
Tem muita espírita fazendo “fama”, ou melhor, lama, em cima do trabalho alheio – querem se construir, destruindo o próximo!...
Ah, por favor, vocês não façam pouco caso da minha inteligência, que, como dizia o grande Chico Xavier, eu posso ser uma besta espírita, mas não sou um espírita besta!...
Até mais.

INÁCIO FERREIRA – Blog Mediunidade na Internet - Uberaba – MG, 22 de maio de 2017.

21 de mai de 2017

CONFIANÇA NO BRASIL

Embora, igualmente, não possamos falar por todos os desencarnados, vimos, em nome de muitos brasileiros já domiciliados no Mais Além, reafirmar, neste momento histórico delicado, a nossa confiança no futuro do Brasil, país fadado a ser Coração do Mundo e Pátria do Evangelho.
Mais do que nunca, as palavras do Cristo se fazem soar aos nossos ouvidos: “Ai do mundo por causa dos escândalos; pois é necessário que venham escândalos; mas, ai do homem por quem o escândalo venha.”
A Lei de Causa e Efeito é incorruptível, e, mais cedo ou tarde, todos haverão de serem, por ela, chamados à devida prestação de contas. E, nos tempos atuais da Humanidade, os acontecimentos vêm se precipitando, para que, deste mundo caótico, de provas e expiações, possa emergir o Mundo de Regeneração.
Carecemos, no entanto, de continuar pugnando pela ordem, para que, segundo alguns articulistas, o Brasil, a breve tempo, não venha a se transformar numa Venezuela, pois que nem mesmo a Venezuela de nossos irmãos venezuelanos há de ser sempre a Venezuela de seus ditadores.
O que nos preocupa, diante do cenário político brasileiro, é que venha a ocorrer derramamento de sangue inocente, e, assim, a balbúrdia se generalize no país sem comando.
Muitos, talvez, estejam se interrogando sobre o quê, afinal, teremos a ver com isto, nós, os considerados mortos. Simples. Aqueles que já conhecem algo da Vida além da morte sabem que, em consequência de nossos compromissos cármicos, prosseguimos, em maioria, vinculados à evolução do orbe, ao qual, um dia, haveremos de tornar – e de regressar, preferencialmente, renascendo no mesmo espaço geográfico dos deveres e obrigações que, outrora no corpo carnal, não conseguimos atender.
Interessa-nos, pois, renascer, de futuro, num país que nos possibilite avançar espiritualmente, dando-nos o ensejo de um ambiente favorável aos nossos ideais de progresso – interessa-nos, sim, renascer num trato de chão que não nos oponha tantos obstáculos ao indispensável aproveitamento da experiência reencarnatória. Foi por tal motivo, que imigrando de outros países, viemos para o Brasil, que, em todos os aspectos, mormente no campo da fraternidade, se nos mostra favorável – logo após a desencarnação de Allan Kardec, o Codificador do Espiritismo – um ano depois, em 1870 –, as trevas já começaram a trabalhar para que a Doutrina se erradicasse da Europa. O que, infelizmente, aconteceu, com o desserviço que os próprios espíritas também passaram a ela prestar.
Esperamos que, diante do grave cenário político brasileiro, que, a cada dia, parece mais se agravar, o povo, em geral, não desista de clamar pelas reformas necessárias, exigindo que os culpados – todos eles –, independente das questões partidárias, venham a pagar pelos seus erros de lesa-Pátria.
Nunca, em nossa opinião, o Brasil vivenciou experiência tão difícil quanto agora, em que, praticamente, não se sabe em quem depositar confiança para reger os seus destinos.
Aguardemos. No entanto, aguardemos agindo, efetuando protestos pacíficos, porém, persistentes, exigindo que todos os corruptos sejam afastados dos cargos que ocupam, solapando a esperança de milhões de espíritos no comprometimento de suas gerações.
Indispensável que uma nova eleição seja, imediatamente, convocada, para salvaguardar as nossas Instituições, que, em sua maioria, também se encontram minadas por atos de vandalismo moral.
Todos precisam colocar os interesses da coletividade brasileira acima de suas ambições pessoais.
Cremos, sinceramente, que qualquer homem que se deixa corromper, de crente que, talvez, fosse, passou a desacreditar da existência de Deus e da ação de sua Justiça – a religião para ele passou a ser mera convenção social, no descaratismo com que, interessado em angariar apoio, frequenta os mais diversos templos religiosos.
Somos pela “Ordem” e pelo “Progresso”, e o nosso coração, neste instante, com o sangue que não cessa de correr em nossas veias, é verde-amarelo.
Estamos não todos, mas estamos com vocês, brasileiros que amam o Brasil, e que não desacreditam de que ele realmente se torne um país digno, que possa servir de exemplo para o mundo, mas que, infelizmente, os espíritos trevosos, opositores da luz do Cristo, não desanimam de eclipsar em suas escaramuças.


INÁCIO FERREIRA – Blog Mediunidade na Internet - Uberaba – MG, 18 de maio de 2017.

20 de mai de 2017

SONHOS DE OURO

Tornei a contemplar, depois da morte,
Da quietude da tarde à leve brisa,
Meu barco de papel que inda desliza
Sobre as águas tranquilas de outro norte.

Eu não sei por que mágico transporte,
Ou mistério, minh’alma assim divisa,
Na tela da memória, tão precisa,
Os folguedos da infância, terna e forte.

Mas, redivivo, agora vendo aquele
Barquinho dos meus dias mais plebeus,
Sei que invés de papel, qual se fez ele,

Fizeram-se de ouro os sonhos meus –
Os sonhos que navegam dentro dele,
Pelo Infinito Mar do Amor de Deus!...

Guilherme de Almeida

(Página recebida pelo médium Carlos A. Baccelli, em reunião íntima da Casa Espírita “Bittencourt Sampaio”, na noite de 08 de setembro de 1993, em Uberaba – MG).

19 de mai de 2017

Apreensão Natural

    Certa vez, alguém me perguntou: "Chico, por que os Espíritos se preocupam tanto conosco? Será falta do que fazer no Mundo Espiritual? Lembro-me de que, inspirado por Emmanuel, eu lhe disse: "Não, meu amigo, não se trata de falta do que fazer... Os espíritos são muito mais ocupados do que nós. O problema é que eles, sabendo que irão voltar, não querem encontrar uma Terra arrasada por herança. O mundo Espiritual e o Mundo Físico são interdependentes, peças de uma mesma engrenagem. Quem não se preocupa com o incêndio na casa do vizinho, corre o risco de ver a sua própria casa incendiada. Os espíritos se interessam por nós, porque nos amam, mas também porque se preocupam com o próprio futuro.
    Quando eu estava recebendo o Nosso Lar, em plena Segunda Guerra Mundial, em 1943, percebia a preocupação deles com o que pudéssemos fazer ao mundo... E hoje - é a pergunta que faço -, com as armas de enorme poder de destruição? Àquela época, as bombas atômicas, perto dos explosivos que se sofisticaram, eram simples artefatos. O Mundo Espiritual Superior tem procurado acompanhar de perto o que acontece na Terra e, compreensivelmente, se mantém apreensivo!


Doutrina Viva - Carlos A Baccelli - Francisco C Xavier.