18 de jun de 2017

CAUSAS DAS ENFERMIDADES

    Se observarmos a nós mesmos constataremos alguma enfermidade, mesmo que seja insignificante.
    Se buscarmos recordar aos nossos familiares, amigos, colegas de estudo ou trabalho, veremos a muitos deles com enfermidades, e algumas até graves.
    Logo, a doença existe e atinge a todos, tanto ricos como pobres, intelectuais ou pessoas simples.
    A ciência atual, apesar de todo seu avanço, ainda está muito limitada.
    Hoje se conhece muito bem o corpo físico, mas os médicos ignoram completamente o funcionalismo de outras estruturas internas das pessoas.
    Sobre isto, destacamos as palavras do Dr. Samael Aun Weor, insigne filósofo, antropólogo, terapêuta, escritor de mais de 80 obras, retiradas de seu livro "MEDICINA OCULTA".
    Capítulo I
    Esses corpos energéticos internos do homem são organismos materiais que o médico tem que conhecer a fundo para diagnosticar as enfermidades sem talhar, sem cometer torpezas.
    Para nada serve conhecer a química laboratorial: seria em vão conhecer somente a anatomia física e desconhecer a anatomia interior, como seria em vão o estudo teórico da bacteriologia sem um microscópio de laboratório.
    Estudar medicina sem haver desenvolvido a clarividência positiva, que permite ver e apalpar os sete corpos do homem, é absurdo".
     A CRISE DA MEDICINA ORTODOXA
     Infelizmente, a MEDICINA  ORTODOXA está em crise.
    Grande parte da população não tem mais confiança total nos médicos.
    O Dr. Jayme Landmann, catedrático de clínica médica da Universidade do Rio de Janeiro, opina que tal fato ocorre porque a Medicina Científica está dando seu lugar a um novo sistema capitalista em termos científicos.
    Desta forma, todos os prestadores de serviços médicos passaram a ser empregados.
    A medicina transformou-se numa das maiores indústrias multinacionais, com investimentos astronômicos e lucros crescentes.
    A Medicina oficial, ortodoxa ou científica, utilizada no mundo ocidental, passou a sofrer uma pavorosa crise  de confiança.
    Uma crise que se espalha, por incrível que pareça, no próprio meio médico.
    Os médicos evitam torná-la pública para não abalar a estrutura emocional, intelectual e, é claro, econômica, da própria classe.
    A crise de confiança na Medicina está em franca expansão e cada vez ganha mais adeptos.
    O médico, que a pouco tempo atrás era respeitado como amigo ou conselheiro, passou a ser visto como comerciante da saúde.
    Nos Estados Unidos, a questão é alarmante, devido ao grande poder econômico.
    A relação entre o médico e o paciente passou a ser um desafio, resumindo-se na frase:
    "CURA-ME OU TE PROCESSO".
    Segundo as estastísticas, um em cada cinco médicos americanos já foi processado por "ERRO MÉDICO", o que destaca o descrédito na classe médica, infelizmente.
     CRESCIMENTO DA MEDICINA ALTERNATIVA
    A questão da saúde é um ponto muito delicado.
    Para Hipócrates, Pai da Medicina, saúde significava a harmonia entre o homem e a natureza, ou seja, o equilíbrio dinâmico das diversas estruturas orgânicas e o meio ambiente.
    Todo médico ou terapêuta deve buscar a harmonia rompida no equilíbrio dinâmico do indivíduo.
    Seria absurdo negar que, para muitos doentes, as terapias alternativas representam uma excelente saída.
    Curar nem sempre significa prescrever substâncias químicas, cuja atividade farmacêutica foi cientificamente demonstrada.
    Muitos fatores podem intervir no sucesso de uma terapia, entre os quais a evolução natural da doença, a crença e a fé do paciente, e o carisma e a habilidade de quem cuida dele.
    O que se exige, é claro, é que as terapias alternativas sejam usadas conscientemente após terem sido objeto de reflexão, estudo e comprovação de resultados práticos.
    Devemos saber usar as terapias alternativas para não cairmos em curandeirismos absurdos ou métodos destituídos de fundamentos práticos ou científicos.
     A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE APROVA
     Há vários anos atrás , a ORGANIZAÇÁO MUNDIAL DE SAÚDE, em Assembleia Geral, alertou seus países membros sobre a importância, para o ser humano, das terapias tradicionais ou alternativas.
    Em 1977, estimulou os Estados membros a utilizá-las a favor do bem-estar da população.
    Em 1978, através da Resolução 30.49, ressaltou, em muitos países, a importância das plantas medicinais no tratamento de saúde.
    Vemos que as terapias alternativas vêm ganhando cada vez mais espaço nos meios oficiais, como sistema confiável de tratamento.
    Um plano piloto extraordinário vem sendo desenvolvido na Universidade Federal e Estadual do Ceará.
    A Universidade vem ministrando um treinamento especial para parteiras práticas, raizeiros, rezadeiras, a fim de que eles aperfeiçoem o seu método de trabalho, sob o ponto de vista mais realista no campo técnico e científico.
    A Índia é um país muito pobre e com uma população com cerca de 500 milhões de pessoas.
    Lá, a Medicina Homeopática tem grande destaque.
    Além da medicina oficial, há muitos sistemas terapêuticos alternativos, dentre eles destacamos a MAGNETOTERAPIA ou, A CURA ATRAVÉS DOS MAGNETOS OU ÍMÃS.
     PARACELSO
    Aureolus Philippus Theophrastus Bombastus von Hohenheim (1593-1541) foi chamado de PARACELSO, tendo nascido em Zurique, Suiça.
    Foi filósofo, alquimista, astrólogo, pensador, homem de ciência que revolucionou a medicina em sua época, além de modificar completamente os métodos de diagnósticos então vigentes.
    Antecipou a utilização de processos antissépticos, intuiu sobre a psicanálise atual, chegando mesmo a formular conceitos que até hoje são válidos.
    Escreveu numerosas obras, algumas delas perdidas para sempre; todavia, as que chegaram até os nossos dias estão repletas de ensinamentos profundos. Sob o ponto de vista esotérico, Paracelso é considerado um autêntico Mestre da Sagrada Loja Branca.
    Esta lição foi desenvolvida sobre os postulados fundamentais deste insigne Mestre da Medicina Universal, que versam sobre a saúde e as causas das enfermidades.


    (Estudo preparado por Dourado-SP)

Nenhum comentário:

Postar um comentário