11 de nov de 2016

OBJUGATÓRIAS

    Explicas a rebeldia atual e a debandada das trilhas luminosas da fé, porque a decepção marcou as experiências religiosas em que te envolveste, povoando-te de aflição e ralando-te o coração de dor.
    Pedias paz e encontraste somente lutas.
    Esperavas tranquilidade e achaste inquietude.
    Desejavas saúde e enfrentaste enfermidades.
    Aguardavas solicitude do Alto e os Ouvidos Cerúleos pareciam-te moucos às rogativas.
    É natural, justificas, que a revolta se instalasse no coração.
    Formulavas, a respeito do Espiritismo, conceitos diferentes; e a decepção, inevitavelmente, foi o amigo que te atendeu.
    Todavia, és o único responsável.
    Fé é lâmpada que clareia interiormente.
    Roteiro, e não transporte; estrada, e não porto de repouso.
    O Espiritismo não equaciona dificuldades, consoante o engano de observação a que estás afeiçoado, na Terra.
    Para muitos a Misericórdia divina deveria ser uma escrava às ordens de todas as paixões.
    Todavia, o melhor remédio para determinadas baciloses é o bacilo-vacina.
    Para muitas necessidades o socorro é, ainda, a necessidade em forma de aguilhão.
    Deus nos ajuda, não como desejamos, mas consoante nossas reais necessidades.
    Para certas feridas, o cautério com ferro em brasa é o melhor método curador...
    Por que, então fazer do Nosso Pai ou da fé, nossos servos, transformando a justiça da Lei que nos conduz ao resgate, em preferencialismo para conosco, de maneira negativa e danosa?
    Devem receber mais os que mais pedem ou aqueles que mais trabalham?
    Abandona, portanto, objurgatórias e reclamações injustas, e serve.
    Compromisso espiritista é ligação com deveres maiores.
    Os Amigos Espirituais não te atenderão as comezinhas apelações, solucionando os problemas que deves resolver; no entanto, dar-te-ão, em colóquios sem palavras e estímulos sem nome, a harmonia que é o caminho da paz legítima e da felicidade real, longe de toda dor, agonia e morte, no formoso labor que se manifesta na luta de cada dia.


Livro: Messe de Amor - Divaldo P Franco - Joanna de Ângelis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário